Como o catolicismo pode ser verdadeiro quando os católicos são tão frios?

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

POR: GARY  HOGE 
 
A maioria dos católicos que eu conheço não levam a fé à sério. Eles são mundanos e seculares e eles parecem não se preocupar com Jesus ou o Evangelho.
G.K. Chesterton disse uma vez que o melhor argumento contra o cristianismo são os cristãos. Isso é certamente verdade do catolicismo. O Papa João Paulo II , colocando-o educadamente, diz: " A Igreja Católica não esquece que muitos entre os seus membros fazem com que o plano de Deus possa ser perceptível apenas com dificuldade. "(Ut Unum Sint, 11). Mas isso é realmente um argumento contra a verdade da fé? Não vejo como. Argumentar que o catolicismo é falso, por não transformar as vidas daqueles que não praticam, é como argumentar que a aspirina não funciona porque não alivia as dores de cabeça daqueles que não a tomam.

Minha família afirma ser católica, mas eles não levam a fé à sério.
Tente se lembrar de que muitas pessoas são católicas só de nome. Se você perguntar o que eles são, eles dirão: "Oh , eu sou católico". Mas o que eles querem dizer é : "Meus pais eram católicos". É mais uma etnia do que uma religião para algumas pessoas. É o que eles são, não o que eles acreditam.

Concordo com os ensinamentos básicos e as tradições da Igreja Católica mas eu ainda estou na igreja Batista. Isso é porque eu não vejo muitos frutos provenientes da Igreja Católica.
Na verdade, é o indivíduo (não uma igreja ), que deve produzir bons frutos. A Igreja só pode anunciar o Evangelho e introduzir as pessoas à Aquele que só pode fazê-las frutificar, mas não pode fazer as pessoas acreditarem em seus ensinamentos, e não pode fazer as pessoas viverem a sua vida. Bons frutos, então, é como dizer se um indivíduo é um discípulo fiel. O fato é que você pode encontrar muitos bons frutos na Igreja Católica, e você pode encontrar abundância de bons frutos em várias igrejas protestantes também. E isso porque o segredo para dar frutos é ter um relacionamento vivo e vital com Jesus Cristo, que é a fonte de toda graça e vida. E como a Igreja Católica tem sido dotada da plenitude dos meios da graça que Cristo estabeleceu, um católico é capaz de ter a relação mais próxima possível com Jesus, e mesmo a realidade da comunhão física com Ele.
Mas repare que eu digo "é capaz de ter", não "que seja garantido". Existem de fato muitas pessoas que se dizem católicas, mas que se recusam a acreditar nos ensinamentos da Igreja, se recusam a obedecer seus preceitos, e se recusam a viver a vida que são chamadas a viverem. Não é surpresa que  essas pessoas não são magicamente convertidas em santos vivos a caminhar através da porta da Igreja. Então, se você quiser olhar para os frutos, não se esqueça de olhar para a árvore. Você não pode encontrar frutas nos galhos secos até que tenham se separado da árvore, e que estão espalhados por toda sobre ele. Eu serei o primeiro a admitir que a fé católica não funciona se você não praticá-la. Ele não funciona por osmose, por genética ou por proximidade. Você realmente tem que crer, e vivê-la. Você tem que ter uma relação viva com o Senhor Jesus, a fim de dar frutos, e muitos "católicos" têm rejeitado essa relação, apesar de serem dadas todas as oportunidades para abraçá-la.

Como a Igreja Católica ser verdadeira quando tantos católicos são tão frios?
A Igreja só pretende anunciar a Boa Nova de Jesus Cristo e convida todos a abraçar a vida da graça que Ele oferece. Ela não afirma que as pessoas que rejeitam seus ensinamentos e rejeitam a sua vida serão transformadas em discípulos fiéis. Também não afirma que nascer de pais católicos garante que uma pessoa vá herdar a fé de seus pais. Se você quiser ver o fruto da fé católica, você tem que olhar para as pessoas que estão comprometidas com a fé, que levam a sério e põe em prática todos os dias. É inútil olhar para aqueles que são católicos nominais, que dizem que são católicos se você lhes perguntar, mas que não tentam viver a vida, embora possam ir à missa por hábito, culpa ou outro motivo . As pessoas não são magicamente transformadas em bons cristãos só por irem à uma igreja católica (mesmo que vão todas as semanas). O arrependimento e a conversão do coração são as chaves para a vida cristã. Sem eles, tudo é estéril e falso, seja "católico" ou não.

Eu não vejo muitas pessoas verdadeiramente salvas com as vidas transformadas; em vez disso vejo muitos católicos nominais que pensam que ir à missa uma vez por semana vai fazê-los ir ao céu mesmo que eles estão vivendo a vida pecaminosa.
Eu conheço essas pessoas. É verdadeiramente triste. Mas comparar o melhor evangélico com o pior católico é injusto. Se você quiser ver os verdadeiros frutos da fé católica, olhe para as pessoas que realmente colocam em prática. Como sabem, a Igreja Católica produziu alguns dos maiores santos que o mundo já conheceu . Alguns povos inteiros foram  convertidos a Cristo por meio deles. Nós ainda nos maravilhamos com sua fé e santidade muitos séculos depois que morreram.

Como posso me mudar de uma igreja dinâmica que ganha almas como a que estou agora a uma igreja aparentemente tão morta, aparentemente cheia de pessoas não transformadas?
Antes de me tornar católico, eu perguntei-me a mesma coisa, porque eu ouvi todos os tipos de histórias de horror sobre pessoas frias na Igreja Católica, e como tinha conhecido vários católicos que eram tão mundanos como qualquer pagão, eu acreditava nelas. Então, à medida que me tornei mais e mais convencido de que a Igreja Católica ensinava a verdade, eu pensei : "Mas, Senhor, eles são todos tão frios". E então me lembrei de Suas palavras : "E o que isto lhe importa? Siga-me". E eu percebi que não era realmente importante saber se o cara no banco ao lado de mim estava vivendo a fé, era importante saber se Eu estava. Era como se o Senhor estivesse me dizendo, "você precisa seguir a verdade, mesmo se você seja o único a fazer isso."
Felizmente, meus temores se revelaram infundados. Eu conheci muitos católicos fervorosos desde que eu me juntei a Igreja, e eu encontrei várias paróquias locais onde a fé é realmente vivida e pregada.

Uma amiga minha, que tem pouco conhecimento sobre as questões teológicas entre católicos e protestantes , disse simplesmente: "eu não sou católica, porque não eles não têm uma relação pessoal com Jesus". Estou certo de que há muitos católicos comprometidos, tais como você e outros mas você tem que admitir  o problema de a maioria dos católicos nem se preocupa em aprofundar sua fé. Estou sendo injusto?
Sim. Como eu disse, você está comparando o melhor evangélico com o pior católico. Mas eu acho que é mais fácil ser católico nominal do que ser um evangélico nominal. O catolicismo é uma fé encarnada. É muito física, expressando-se através de sinais e rituais e práticas significativas. Idealmente, essas práticas são formas de expressar a alegria da realidade interior da graça de Deus em nossas vidas. Elas dão forma e conteúdo à realidade da nossa fé. Mas se essa realidade não está lá, ainda é possível atravessar os movimentos físicos da fé por causa do hábito, ou o que seja. Em outras palavras, é possível errar na expressão da fé em si, como se os sinais exteriores da nossa fé, e não a realidade que pretendem expressar , fossem o mais importante. Isso acontece e é uma vergonha, porque ser nominal não leva ninguém para o céu.

Por outro lado, o evangelicanismo é desprovido de materialidade . É uma religião quase exclusivamente marcada pelo compromisso intelectual. Portanto, se você não tiver esse compromisso, não há mais nada, então você sai. Isso é bom no sentido de que incide sobre a importância primordial da fé e à conversão do coração, e porque é mais difícil de se enganar em pensar que você é um "bom cristão ", quando você não é, mas aos evangélicos realmente falta alguma coisa por não terem uma rica tradição física com a qual possam expressar a sua fé. Quando você combina a verdadeira fé interior com expressão significativa exterior, o resultado é incrível, acredite. E os melhores católicos, como os melhores evangélicos, sabem que um relacionamento pessoal com Jesus é o objetivo da vida cristã. Nós só temos um monte de maneiras de expressar e experimentar esse relacionamento.

Passei um verão na Cidade do México e um semestre em Santiago de Compostela, mas com exceção de uma velhinha, de todos os estudantes que eu conheci, posso dizer que não conheci nenhum católico compremetido e isto países católicos onde praticamente todo mundo, pelo menos, diz que é católico.
Bem, o que mais você poderia esperar de um "país católico" ? Em alguns países, o catolicismo é a "religião padrão". É o que você diz que é quando alguém pergunta, mesmo se você não tiver os pés em uma igreja nos últimos anos. É o mesmo com o cristianismo protestante no país. Se você perguntar a maioria dos americanos que religião são, eles dizem "bem, eu não sou judeu, não sou muçulmana, eu não sou hindu, então eu acho que devo ser cristão". Neste país, o cristianismo é a religião padrão. E se você perguntar a essas pessoas, sejam católicas ou protestantes, a maioria vai dizer: "bem , eu não sou católica, então eu acho que devo ser protestante". O  protestantismo é a versão padrão do cristianismo no país. Mas não seria justo julgar o protestantismo baseado nas pessoas que, se pressionadas, diriam que são protestantes, mas que talvez nunca tenham visto o interior de uma igreja, ou lido um único versículo da Escritura. O mesmo vai para quem julga o catolicismo pelos católicos dos chamados "países católicos".

Os evangélicos que eu conheci quase sempre foram "separados", significando que lêem a Bíblia , levam sua fé a sério, etc
Em um país nominalmente católico, você não iria esperar que os evangélicos se destacassem? E como eles deliberadamente escolheram uma religião diferente da religião padrão, você não iria esperar que levassem a fé mais a sério do que aqueles que já optaram pelo padrão apenas por hábito ou tradição familiar?

CRÉDITO
Gary Hoge  "Como o catolicismo pode ser verdadeiro quando os católicos são tão frios?" Catholic Outlook.
Reproduzido com permissão de Gary Hoge .

Gary Hoge explica seu website Catholic Outlook . "Meu objetivo para este site é simplesmente tentar explicar a fé católica de um modo que evangélicos vão entender e explicar porque eu acho que faz mais sentido do que as alternativas. O que você faz com que a informação, obviamente, depende de você. Juntos , vamos acabar com os mitos e equívocos, e definir claramente tanto quanto possível o que a Igreja Católica realmente ensina. Acho que você vai ser agradavelmente surpreendido com o que você aprender aqui".

O AUTOR
Em suas próprias palavras , Gary Hoge "foi um ateu por muitos anos, mas foi salvo em uma pequena igreja Batista em 1986. Nos próximos doze anos eu fui evangélico, protestante não-denominacional, até o dia em que cometeu o "erro" de tentar refutar a teologia católica . O que eu aprendi me convenceu de que não só não pude refutá-la, mas que, como crentes na Bíblia cristã, eu deveria abraçá-la. Eu não sou um erudito ou um perito de qualquer tipo, mas eu aprendi muito nos últimos anos, e eu gostaria de compartilhar com você".
Copyright © 2001 Gary Hoge
Tradução: Emerson de Oliveira

2 comentários:

cleidsonal disse...

Muito bom artigo!!!

Parabéns!!!

*Gui* disse...

Eu concordo em partes como texto mas nao totalmente, acho que foi muito generalizado. E se é assim com a maioria dos cristãos católicos a igreja tem sim contribuição nisso... ja reparou na proximidade dos evangelhos e dos muçulmanos? ambos parecem ser bem mais "fiéis" ou coprometidos com a fé... porém se repararmos há uma serie de regras impostas por essas religioes... que caracterizam bem quem é quem. Exemplo, se você vê uma mulher de cabelos longos, saia cumprida voce assimilara com uma evangelixa certo? o mesmo quando voce vê uma mulher de hijab (véu) vai saber que é muçulmana, mesmo nao sendo mais assim em algumas divisoes do evangelho, esse modo de se vestir etc, antigamente era... entao quando a pessoa "atende" a essas regras e proibições da sua religiao se sente mais crente, mais seguidora da fé, quando nem sempre é verdade. No catolicismo nunca tive isso, nunca me proibiram de nada. Também nunca me mostraram de fato a religiao. Sou católica nao praticante assim como minha familia. Nao vou as missas. Pra que? se nao entendo um terço do que o padre fala, e aposto que metade dos que estão sentados ali tambemnao entendem, esperam pela ostia, tomam, dao dinheiro e voltam pra casa, ou dá uma passadinha no buteco. Bem, fiz catequese, 1ª comunhao, perseverança e sai por vontade própria, não senti o estimulo que precisava, decidi ser nao praticante mesmo e agora pesquiso muito por religioes, mas o que mais me intriga é a necessidade que as religioes tem de se sentirem as donas da verdade e de criticar todas as outras. Entendam que nenhuma religiao te levará para o inferno pois nao há religiao errada, tampouco alguma religiao te levara sozinha para o céu, nesse ponto concordo com o texto! Veja só quanta gente se diz religiosa e peca, mesmo aquelas que realmente acreditam se entregar a religiao, vao as missas/cultos, rezam em casa etc mas cuidam da vida dos outros, julgam, acham que elas serão recompensadas e os outros nao por nao pertencerem a mesma religiao, ou ainda, se acham pessoas mais especiais que as outras por terem encontrado a "religiao certa". Todos nós somos seres humanos, pecadores! Todos seremos julgados com a justiça de Deus igualmente, pelos atos que fizemos sejam eles bons ou ruins, nao ache que dando o dízimo da igreja voce irá para o ceu, que rezando 5 vezes por dia pra Deus, voce vai pro ceu ou que pondo um copo cheio de agua em cima da tv, voce vai pro ceu! Religiao é criação dos homens pra poder conduzir a vida da maneira que eles acreditam em Deus! Nem vou apontar aqui os "erros" das religioes porque todos sabem... nem estou aqui para criticar as religioes em si, mas o fanatismo e o preconceito com quem decide acreditar em outra coisa! Acredite e confie em Deus e entrega tua vida a ele, só isso que importa! Ele irá te guiar, mas caso você seja ateu, nao se preocupe, voce nao vai queimar no inferno.

Postar um comentário