Grandes heróis católicos: cardeal Michael Faulhaber

segunda-feira, 11 de julho de 2011

 No Coração do Reich

Mesmo na Alemanha, os bispos católicos protestaram contra o tratamento dos judeus. Padres falaram contra o nazismo e pagaram por isso com suas vidas; muitos leigos abrigaram judeus.
Hitler chegou ao poder em 1933. Em dezembro daquele ano, o cardeal Michael Faulhaber, o "Leão de Munique", fez um sermão em defesa do judaísmo bíblico. Quando a perseguição aumentou, ele falou mais diretamente ao ponto:
"A história nos ensina que Deus sempre puniu os torturadores dos ...  judeus. Nenhum católico romano aprova as perseguições dos judeus na Alemanha". 1

Em outubro de 1938, o rabino-chefe de Munique disse ao cardeal Faulhaber que temia que sua sinagoga fosse queimada. O cardeal forneceu um caminhão para transportar os rolos da Torá e outras coisas importantes da sinagoga para a guarda de seu palácio. Vários nazistas se reuniram em frente ao palácio, gritando: "Fora com Faulhaber, amigo dos judeus!" 2

Mas Faulhaber e outros bispos, incluindo o cardeal Conrad von Preysing de Berlim e o bispo Clemens August von Galen de Muenster, continuou a falar em defesa dos judeus em sermões e cartas pastorais (Foi von Galen, que foi a Roma para planejar o reassentamento em São Paulo com o Papa Pio XI .)


Em 1930, o Cardeal Faulhaber, Arcebispo de Munique, condenou oficialmente o nazismo como "uma heresia que não pode ser conciliada com a cosmovisão cristã".

Em 1930 o jovem sacerdote Clemens August von Galen, pastor de St. Lambert, em Munster, disse: 
 "Um católico pode ser parte do partido de Hitler? Um sacerdote pode reconhecer os membros deste partido como tal,em cerimônias religiosas? Nós respondemos negativamente."
 Três anos mais tarde, tornou-se bispo da cidade.


Os livros de Faulhaber foram proibidos e em 1934 e 1938 foram feitas tentativas para assassiná-lo. Ele continuou a pregar contra os nazistas até o fim da guerra.
Em Stuttgart, a Resistência desenvolveu um sistema de rota de fuga bem organizada para ajudar os judeus a escapar. Em Hamburgo, Raphaels Verein, uma sociedade católica leiga, ajudou muitos judeus a emigrarem, até que foi fechada pela Gestapo em 1941.
Também em 1941, o padre Bernard Lichtenberg, um sacerdote da Catedral St. Hedwig em Berlim, declarou em um sermão que ele iria incluir os judeus em suas orações diárias ", porque as sinagogas foram incendiadas e negócios judeus foram destruídos." 3 Ele foi preso por "atividades subversivas", enviado para a prisão e depois para um campo de concentração. Ele pediu para ser enviado para o gueto judeu em Lodz, mas morreu a caminho de Dachau.

Mas isto, os ateus, Testemunhas de Jeová e outros críticos da Igreja Católica não falam. Nunca falam, pois isto iria destruir suas falácias e sofismas. Por que eles não mencionam estes eminentes católicos e só falam do suposto silêncio do Papa Pio XII? Por que só falam do Papa Alexandre VI e não mencionam os grandes papas? Porque isto iria ridicularizar esses mesmos críticos tacanhos e suas críticas infantis.

Notas
1 - Philip Friedman, Their Brothers' Keepers (New York: Holocaust Library, 1978), p.93.
2. ibid.
3. ibid., p.94.

0 comentários:

Postar um comentário