Por que a Igreja Católica não ordena mulheres?

segunda-feira, 30 de maio de 2011


Entre as polêmicas mais controversas na Igreja Católica no final do século 20 e início de 21 foi a questão da ordenação de mulheres. Enquanto muitas denominações protestantes, incluindo a igreja da Inglaterra, começaram a ordenação de mulheres, o ensinamento da Igreja Católica sobre o sacerdócio masculino ficou sob ataque, com alguns afirmando que a ordenação de mulheres é simplesmente uma questão de justiça, e a falta de coordenação é a prova de que a Igreja Católica não valoriza a mulher. O ensinamento da Igreja sobre esta matéria, no entanto, não pode mudar. Por que as mulheres não podem ser sacerdotes?
Resposta:

Na pessoa de Cristo a Cabeça

No nível mais básico, a resposta à pergunta é simples: o sacerdócio do Novo Testamento é o sacerdócio de Cristo. Todos os homens que, através do Sacramento da Ordem, tornaram-se sacerdotes (ou Bispos) participam no sacerdócio de Cristo. E eles participam de uma forma muito especial: eles agem in persona Christi Capitis, no pessoa de Cristo, A Cabeça do Seu Corpo, a Igreja.

Cristo era um homem

Cristo, é claro, era um homem, mas alguns que defendem a ordenação de mulheres insistem em que seu sexo é irrelevante, que uma mulher pode agir na pessoa de Cristo assim como um homem. Isso é um equívoco da doutrina católica sobre as diferenças entre homens e mulheres, que a Igreja insiste serem irredutíveis pois, homens e mulheres, por sua natureza, são adaptados a papéis e funções diferentes, mas complementares.

A tradição estabelecida pelo próprio Cristo

No entanto, mesmo se desconsiderarmos as diferenças entre os sexos, como muitos defensores da ordenação de mulheres, temos que encarar o fato de que a ordenação de homens é uma tradição ininterrupta que remonta não só aos Apóstolos, mas ao próprio Cristo. Como o Catecismo da Igreja Católica (n º 1577) afirma:
Só um varão ("vir") batizado pode receber validamente a ordenação sagrada". O Senhor Jesus escolheu homens ("viri") para formar o colégio dos doze Apóstolos e os apóstolos fizeram o mesmo quando escolheram os colaboradores que seriam seus sucessores na missão. O colégio dos Bispos, ao qual os presbíteros estão unidos no sacerdócio, torna presente e atualiza, até o retomo de Cristo, o colégio dos doze. A Igreja se reconhece vinculada por essa escolha do próprio Senhor. Por isso, a ordenação de mulheres não é possível.

Sacerdócio não é uma função, mas um carácter espiritual indelével

Ainda assim, continua o argumento, algumas tradições são feitas para serem quebradas. Mas, novamente, que ignora a natureza do sacerdócio. A ordenação não é simplesmente dar permissão a um homem desempenhar as funções de um padre, que dá a ele um caráter (permanente) espiritual indelével, faz como um sacerdote, e desde que Cristo e Seus apóstolos escolheu apenas homens para serem sacerdotes, os homens só pode validamente ser sacerdotes.

A impossibilidade da ordenação das mulheres

Em outras palavras, não é simplesmente que a Igreja Católica não permite que mulheres sejam ordenadas. Se um bispo validamente ordenado fosse realizar o rito do sacramento das Ordens Sacras exatamente, mas a pessoa a ser ordenada fosse uma mulher, em vez de um homem, a mulher não seria um sacerdote no final do rito do que era antes de começar. A ação do bispo, na tentativa de ordenação de uma mulher poderia ser tanto ilícita (contra as leis e regulamentos da Igreja) e inválida (ineficaz e, portanto, nula e sem efeito).
O movimento para ordenação de mulheres na Igreja Católica, portanto, nunca chegará a lugar nenhum. Outras denominações cristãs, para justificar a ordenação de mulheres, tiveram que mudar a sua compreensão da natureza do sacerdócio que transmite um carácter espiritual indelével em que o homem é ordenado, para uma em que o sacerdócio é tratado como uma simples função. Mas o abandono do entendimento de 2.000 anos de idade sobre a natureza do sacerdócio seria uma mudança doutrinária. A Igreja Católica não poderia fazê-lo e continuar a ser a Igreja Católica.

Extraído de: http://catholicism.about.com/od/beliefsteachings/f/Women_Priests.htm
Tradução: Emerson de Oliveira

3 comentários:

Lindalva Cordeiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lindalva Cordeiro disse...

Puro machismo, as mulheres hoje ainda aceitam esses argumentos que buscam disfarçar a misoginia, porém, no futuro, as meninas que agora nascem, não aceitarão mais essa discriminação, pois, como seres humanos, cristãs, batizadas, estarão para sempre excluídas do processo de decidir, da graça do sacerdócio. A Igreja terá que rever esses posicionamentos sob pena de haver uma saída em massa de mulheres, aí ficaram só homens, que ver o que farão, visto que as mulheres são 70% dos fiéis.

Lindalva Cordeiro disse...

Jesus também só escolheu pescadores, judeus, se fosse assim só esses seriam ordenados hoje. Outra coisa não havia mulher tomando o corpo e o sangue na Última Ceia, então, se fôssemos seguir essa postura, seria proibido às mulheres comungar hoje também, pois nenhuma mulher comungou na Santa Ceia.

Postar um comentário