"Amar e sofrer" - a ciência dos santos

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Vivemos em um mundo com sofrimentos. Desde o tempo da nossa juventude, fomos condicionados a ver o sofrimento como um impedimento para a felicidade. Essa ideia que está tão impregnada na nossa cultura, nos diz que quanto menos nós sofremos, mais felizes seremos. No entanto, nos escritos dos santos, encontramos uma realidade totalmente diferente, que é precisamente o sofrimento que nos fortalece, nos humilha, e forja-nos santos. Mas mais do que isso, descobrimos que o sofrimento é de um valor inestimável tão grande  que nada é igual a ele no céu ou na terra. Como Nosso Senhor disse a Santa Faustina "se os anjos fossem capazes de inveja, eles nos invejariam por duas coisas: uma delas é o recebimento da Sagrada Comunhão, e a outra é sofrimento" (P.1805) Mas por que isso acontece? Por que o lema dos santos ao longo dos séculos sempre foi "amar e sofrer" ? Por que não é "amar e fazer boas obras", ou "amar e evangelizar" ?
De acordo com o santos, quando buscamos negar as nossas vontades e oferecer sofrimentos de amor a Nosso Senhor, fazemos descer do céu mais graça do que qualquer outra ação que possamos fazer. Na verdade, eles nos ensinam que o sofrimento é de mérito tão grande que é maior do que as obras externas como a pregação, escritos ou até mesmo milagres. O momento decisivo de redenção da raça humana não foi quando Nosso Senhor curou os enfermos ou pregou nas sinagogas. Foi quando o Homem-Deus foi pregado a uma cruz e derramou seu sangue por amor a humanidade. Vemos então que não há maior medida do nosso amor do que a nossa vontade de seguir as pegadas do nosso Redentor, isto é, a nossa disposição para sermos pregados em uma cruz e de sofrer, assim como os apóstolos (Atos 5,41;14, 21, Rm 8,18, 2 Coríntios 12,10, etc.) Ao fazer isso, unimo-nos a obra redentora de Cristo através de nossos sofrimentos (Col 1,24 ). Tornamo-nos um pouco co-redentores com este mérito pela conversão e a santificação das almas. Este é o fim último do sofrimento: a salvação da humanidade. Como Nossa Senhora disse ao mundo em Fátima "que vão muitas almas para o inferno porque não há ninguém para se sacrificar e orar por elas".  E se isto é assim, então deve ser uma coincidência que o que é desejado por Nosso Senhor é aquilo que é mais temido e incompreendido pelo mundo?
Santa Gemma Galgani, cartas
Jesus disse estas palavras:
"Minha filha, eu preciso de vítimas e fortes vítimas, que por seus sofrimentos, tribulações e dificuldades, façam reparações para os pecadores e por sua ingratidão."
Ven. Maria de Agreda, cidade mística de Deus, livro VI, cap. V
Palavras da Rainha: "Lembro-te que não há exercício mais rentável e útil para a alma do que sofrer .... Por isso, minha filha, abrace a cruz, e não admita nenhuma consolação fora dela nesta vida mortal. Ao contemplar e sentir dentro de ti a Paixão sagrada, tu irás atingir o cume da perfeição e conseguir o amor de um esposo ... eu encontro tão poucos que me consolam e tentam consolar o meu filho em sua tristeza ... "
Diário de Santa Faustina
"Jesus diz:. 'Minha filha, eu quero instruí-la sobre como você pode salvar almas através do sacrifício e da oração. Você vai salvar mais almas através da oração e sofrimento do que um missionário através de seus ensinamentos e sermões. Eu quero vê-la como um sacrifício de vivo amor, que carrega o peso diante de Mim. Você deve ser aniquilada, destruída, vivendo como se estivesse morta no fundo mais secreto do seu ser. Você deve ser destruída numa profundidade secreta onde o olho humano tem jamais penetrou, então eu irei ver em você um sacrifício agradável, um holocausto cheio de doçura e fragrância e grande será o seu poder para quem você interceder. Externamente, o sacrifício deve ter esta aparência: oculto, silencioso, repleto de amor, imbuído com a oração. Eu lhe peço, minha filha, que o teu sacrifício seja puro e cheio de humildade, para que eu possa encontrar prazer nele. Eu não vou poupar minha graça para que você possa cumprir o que lhe peço. "

Santa Teresa dos Andes, na Vida Religiosa, (15 anos), Letras p.121
"Seu sacrifício é perpétuo, sem mitigação, a partir do momento em que sua vida religiosa começa até que ela morra como vítima, segundo o exemplo de Jesus Cristo. E ela faz tudo isso em silêncio, sem um conhecimento do mesmo. Contudo, muitos pensam que sua vida é inútil. No entanto, ela (a religiosa) é como o Cordeiro de Deus. Ela tira os pecados do mundo. Ela se sacrifica para trazer de volta ao redil as ovelhas que se desviaram. Mas, assim como Cristo não conhece o mundo, ela também não conhecerá. A abnegação encanta-me completamente. Não há espaço para o amor-próprio. Ela nem mesmo pode ver os frutos de sua oração. Só no céu ela vai saber isso."

Santa Teresa de Lisieux, História de uma alma, p.27
"Eu entendi que para se tornar uma santa eu tinha de sofrer muito, buscar sempre a coisa mais perfeita a fazer, e me esquecer de mim mesma. Compreendi, também, que há muitos graus de perfeição e cada alma era livre para responder aos avanços o Nosso Senhor a fazer muito ou pouco por Ele, numa palavra, a escolher entre os sacrifícios que Ele estava pedindo. A partir de então, como nos dias da minha infância, eu gritei: 'Meu Deus, eu escolho todos ! Eu não quero ser santa pela metade , eu não tenho medo de sofrer por Ti. Eu temo apenas uma coisa: manter a minha própria vontade. Então tome-a, para eu escolher tudo o que quiseres!"

Padre Pio, Segredos de uma Alma, p.47
"Jesus me disse: 'Quantas vezes você me abandonou, meu filho, se eu não lhe tivesse crucificado. Debaixo da cruz, se aprende o amor, e eu não dou este dom para todos, mas apenas para aquelas almas que são muito preciosas para mim'"
Mas como Deus pode ser feliz quando nós sofremos?
Santa Teresa responde sua própria pergunta "nunca o nosso sofrimento O faz feliz, mas é necessário para nós, e por isso Ele nos envia, enquanto, por assim dizer, nos vira o rosto .... Garanto-vos que Ele isto lhe dá grande amargura. O bom Deus, que nos ama, sente-se muito triste ao ser obrigado a deixar-nos na terra para cumprir o nosso tempo de prova, sem que possamos lhe contar nosso desconforto, que nós aparentemente nem notamos... Longe de reclamar a Nosso Senhor da cruz o que Ele nos envia, não consigo compreender o amor infinito que o levou a tratar-nos desta maneira. Que favor de Jesus, e como Ele eeve nos amar para nos enviar tão grande sofrimento! A eternidade não será suficiente para agradecê-lo por isso. " - (Alegria no Sofrimento, pg.8) Vemos, então, que longe de ser um impedimento para a felicidade, o sofrimento pode tornar-se realmente um mecanismo de nossa felicidade. Como o Servo de Deus Pe.. John Hardon exclamou;
"O amor quer sofrer pelo Amado... quer expiar os pecados que tenham penetrado tão profundamente a humanidade. O amor quer compensar a falta de amor entre aqueles que pecam. O amor quer  aliviar a dívida do sofrimento que os pecadores devem a Deus. O amor quer dar a Deus o que os pecadores privam-Lhe por seus pecados."
Fonte: http://www.religious-vocation.com/redemptive_suffering.html
Tradução: Emerson de Oliveira

1 comentários:

Nathalia Maria disse...

Maravilhoso artigo! Meu ajudou de maneira inexplicável.

Postar um comentário