ATEA espalha outdoors polêmicos em ruas de Porto Alegre (RS)

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Bom. Com este "excelente" exemplo de dicotomia de caráter alguns ateus querem dar a bela noção de que um gênio do cinema como Chaplin era ateu enquanto o malévolo Hitler (segundo eles) era crédulo. Hmmm. Vamos lá.
Tudo bem a pessoa ser atéia. Todo mundo tem o direito de crer ou não em Deus. É seu direito. O problema é o que eles querem dizer com Hitler ser "teísta" ou "cristão".  Acham que por um simples outdoor simplista e minimalista querem sumarizar toda problemática em torno do ditador?

O objetivo é claro neste outdoor, se ler nas entrelinhas: alguns querem com isso, alegar que Hitler foi "cristão".

Para começar Hitler não foi nem cristão nem ateu. Foi um neopagão. Vamos ver algumas coisas que o suposto "cristão" Hitler disse:

Noite de 11 para 12 de Julho de 1941: O Nacional Socialismo e a religião não podem existir juntos.... O maior golpe que já atingiu a humanidade foi a chegada do cristianismo. O bolchevismo é o filho ilegítimo do cristianismo. Ambos são invenções dos judeus. A mentira deliberada em relação à religião foi introduzida no mundo pelo cristianismo... Que não se diga que o cristianismo trouxe para o homem a vida da alma, porque a evolução estava na ordem natural das coisas. (Adolf Hitler, Londres, Weidenfeld & Nicholson, 1953.p 6 e 7)
10 de Outubro de 1941, meio-dia: O cristianismo é uma rebelião contra a lei natural, um protesto contra a natureza. Levado à sua lógica extrema, o cristianismo significaria a cultivação sistemática da falha humana. (p 43)
Da mesma forma, Hermann Rauschning, um amigo de Hitler, disse: "Ou você é cristão ou alemão. Você não pode ser os dois." Além disso, Hitler declarou o nazismo religião do Estado e que a Bíblia fosse substituída pelo Mein Kampf nas escolas. Você realmente quer confusão? Randy Alley, uma das minhas melhores fontes de história da Segunda Guerra Mundial, observou que a SS foi proibida de acreditar em Deus - ainda que nas fivelas dos militares estivesse escrito: "Gott mit uns" ("Deus está conosco")!

Eu nunca disse que ateu é imoral. Eu só disse que o ateu não pode defender, de forma absoluta, os valores morais sem Deus.

O outdoor se expressa muito mal. A pergunta certa deveria ser: PODE UM ATEU DEFENDER OS VALORES ABSOLUTOS MORAIS SEM DEUS?

Ai, a resposta seria outra.

6 comentários:

Lohan_DAOS disse...

Eu respondo! Pode um ateu defender valores morais sem Deus?

PODE!! Eu sou ateu e tenho motivos nem um pouco cristãos para defender valores morais como honestidade, humildade, serenidade, e dizer que é ERRADO matar, roubar, estuprar (ouviram, padres? estuprar!), agredir. Os motivos são humanistas, e não religiosos.

Entretanto, meus amigos cristãos já me deram diversas demonstrações de que Deus é benevolente e perdoará até mesmo os criminosos mais crueis, se (segundo palavras deles) "forem até o fim crendo e sendo submissos a Deus todo poderoso".



E o outdoor só diz, assim como a REALIDADE, os FATOS, dizem, que religião não faz uma pessoa ser boa ou não. O Brasil é composto por mais de 90% de pessoas religiosas. E não somos um país muito tranquilo, cheio de valores morais pra dar e vender, né?

Além do mais, se O SEU Deus é o único que pode definir valor moral, então todas as pessoas do mundo que não acreditam no mesmo Deus que VOCÊ não têm como definir valores morais. Correto, senhor?

A população carcerária, diga-me: todos ali são ateus? Todos os bandidos do mundo são ateus? Não. Eu tenho certeza ABSOLUTA de que não são.



Mas vamos lá, que tal uns exemplos do "mundo tosco religioso?" 1) Criança dando dinheiro pra igreja http://www.agoramt.com.br/2011/07/bispo-da-universal-cobra-dizimo-de-crianca/ 2) Mansão do Edir Macedo, 6 milhões de reais http://ricardobraida.wordpress.com/2007/12/28/nova-mansao-de-edir-macedo-e-avaliada-em-6-milhoes/ 3) Padre abusou de 3 meninos http://www.bahianoticias.com.br/noticias/noticia/2011/07/19/97727,padre-confessa-ter-abusado-de-tres-meninos.html 4) Padre com cocaína em MG http://www.sidneyrezende.com/noticia/139121+padre+e+detido+em+mg+portando+cocaina+e+com+sinais+de+embriaguez

Catholic disse...

Alem disso, Emerson, Chaplin NAO era um ateista, mas simplesmente agnostico. Tinha grande reverencia ao clero, amava a arquitetura e arte sacra e ate' rezava de vez em quando. Leia este extensivo artigo quando puder:

http://www.adherents.com/people/pc/Charlie_Chaplin.html

Ricardo disse...

Argumento do "declive escorregadio". Também conhecido como "mudar de assunto"...

Emerson disse...

Prezado Catholic, eu sei que Chaplin era agnóstico. Só quis me posicionar (ironizando) a colocação da alegação do outdoor (ele mesmo que coloca como CHAPLIN - NÃO ACREDITA EM DEUS). O outdoor não explica que ele é agnóstico (e a maioria das pessoas não sabem nem o que é agnóstico).
O que eu quis criticar com esse outdoor falacioso é essa falsa dicotomia que tenta alegar que os cristãos ensinam que só quem crê em Deus é uma pessoa boa. Isso é falso e eu nunca vi nenhum cristão sério dizer isso. O outdoor é folhetinesco em suas bases. Um ateu pode ser boa pessoa sim e ele tem o livre-arbítrio de escolher aceitar ou não a existência de Deus.
Agora, explicar o moral absoluto sem Deus é outra história e requer muitos questionamentos.

Wilson disse...

Olha amigo, eu entendi o seu posicionamento. Eu mesmo, que estive acompanhando a campanha da Atea, pedi (não só eu, mas várias outras pessoas) para incluírem Stalin, que era ateu, como exemplo de pessoa má; e também de Madre Teresa ou Luther King como exemplo de religiosos bons. Até porque eu concordo que a religião não influencie no caráter, que temos pessoas boas e más de todas as religiões.
Mas acontece que é justamente isso que a campanha quer mostrar, fazer uma crítica para a forma como a sociedade cristã enxerga os ateus/agnósticos. A sociedade enxerga tais indivíduos como desprovidos de senso moral e ética, como se quem não acreditasse em deus estivesse condicionado a praticar o mal pelo argumento de "Se Deus não existe, tudo é permitido". Embora faça um pouco de sentido, já que não acreditamos que seremos castigados com inferno ou coisa do tipo, logo nós nos sentimos livres para realizar o que queremos.
Mas veja bem aonde eu quero chegar, será mesmo que um ateu/agnóstico não pode defender valores éticos/morais? Uma simples analogia, suponhamos que temos um adolescente na fase estudantil e o seu pai decide acompanhar as suas notas; se você tirar uma nota ruim, o seu pai tirará sua Internet por uma semana além de (se a nota for muito baixa) bater em você, mas para cada nota boa, o seu pai lhe dará dinheiro para ir ao cinema ou balada com amigos/namorada. Será mesmo que esse jovem estudará porque tem plena consciência de que aquilo será um investimento para o seu futuro? Ou estudará para não ser castigado pelo pai e ganhar dinheiro para passear?
Então é esse questionamento que eu faço para todos que pensam como você: Será mesmo que eu pratico o bem pelo fato de eu ser uma pessoa boa; ou pratico apenas por medo de um castigo e esperando ganhar alguma recompensa por isso?
Provavelmente você falará que o método usado pelo pai dará melhor resultado com o adolescente. E eu até que concordo, realmente o jovem só estudaria por contra própria se tivesse maturidade suficiente. Assim como eu também acho que alguém viveria de forma harmoniosa com a sociedade, praticando o bem sem Deus, apenas se tivesse maturidade suficiente.
Eu sou uma pessoa boa. Eu não tenho Deus no coração.

Júlio Cascalles disse...

1) Se a religião diz aos seus seguidores que ela serve para formar caráter - e a propaganda da ATEA diz que é mentira...

2) E se essa propaganda mostra um simpático comediante representando os ateus e um assassino nazista representando os religiosos...

...o que eles vão pensar?

Postar um comentário